Cientista prova com experimento simples a existência de universos paralelos.


06/04/2017
Viagens ao passado podem ser realidade.
Com experimento muito simples: um laser, um espelho e um ventilador Marshall Barnes nota que depois de desligar o laser, houve envio de fótons.
Na verdade causalidade é algo importante na física moderna, pois explica que um evento A pode ser a causa de B,  mas pode simultaneamente ser consequência do B que ele próprio causou.
O que acontece no experimento de Marshall Barnes é que a luz veio de algum lugar que não seria desse universo, isso mostra um problema, de onde veio o ponto do laser?
A experiência visa mostrar que os universos podem ser contatados, por nós. Imagine que você pudesse voltar ao passado e mudá-lo, mas na verdade esse universo paralelo seria totalmente novo e você seria um alienígena nesse universo. 
Esse fato poderia explicar que raças alienígenas podem estar em um universo paralelo, aqui mesmo na Terra e nós nunca saberíamos da existência deles, isso mostra que algo está acontecendo em nosso universo, pode ser que estamos vivendo dois universos paralelos: um nosso plano carnal e outro os planos espirituais.

Esse experimento pode dar uma ideia de que a possibilidade de viajar ao passado e mudá-lo não afetaria o nosso mas criariam universos paralelos, bem como quando coloca dois espelhos e cria um efeito de um mundo dentro do outros mundos.

A imagem acima mostra o que seria o laser desligado e um raio laser que vem de algum lugar, o que sugere que o mesmo experimento estaria sendo feito em um universo paralelo.
O raio laser é jogado na direção de um espelho de dois lados.

Esses espelhos refletem como espelho, mas um dos lados é apenas um vidro. Esse espelho irá produzir dois pontos de laser, um que continua sua viagem até o outro ponto e o outro espelhado. O ponto de transmissão está sendo cortado pelas pás de um ventilador, que funciona como um obturador, impedindo a continuação da luz do ponto de transmissão e outros que encontrariam o espelho e refletiriam na parede atrás. Nesse processo tudo é gravado quadro a quadro, e em alguns casos quando o laser está desligado, aparece o "laser beam" na parede. kkk
Brian Greene diz: " Seria a mesma coisa que se você voltasse ao passado e matasse seu pai, e ali vivesse como um alienígena, em um universo que você nunca nasceu. ou um mundo que pode existir paralelamente ao nosso."

Esse cenário conhecido como " Interpretação de vários mundos" foi idealizada por Hugh Everett é uma parte da mecânica quântica. 
"O princípio da simultaneidade dimensional, estipula que: dois ou mais objetos físicos, realidades, percepções e objetos não-físicas, podem coexistir no mesmo espaço-tempo. "
Na visão de vários mundos a ideia principal é que um evento pode ter forquilhas, como um galho de árvore, cada um segue um determinado evento, sendo assim  quando entramos em um evento diferente, seguimos naquele evento sem que nada possa interferir, isso seria possível matar seu pai e continuar vivo, mesmo que você não tenha nascido ainda.
Esse fato em si, mostra que a ficção científica pode estar corretamente colocada na visão de vários mundos possíveis e eventos específicos de cada observador dentro de vários universos.

Imagine que legal, isso seria: de voltar ao passado e não deixar o Hitler fazer o que fez? Mas saber que em nosso universo ele continuou a matar judeus. É algo a se pensar, sendo que a história é algo imutável no presente e mutável no passado. Isso complicaria nossos sentidos como pessoas comuns e admirarmos nosso passado como algo que não teria como mudar. Poderíamos mudar o passado, mas ele continuaria como é apenas o evento onde você estivesse mudado seguiria modificado.
Lembrei-me do filme de Tom Cruise: No Limite do Amanhã.